quarta-feira, 9 de junho de 2010

O retrato que rabisquei um dia!



Os grandes homens da história são considerados como aqueles que fizeram grandiosas obras. Algumas destas obras nem sempre são lembradas com alegria, pois não viveram a bondade.
Entretanto a maioria destas pessoas que fazem parte de nossa história são os que viveram a bondade. Uma dessas pessoas foi o nosso querido Servo de Deus Padre Victor. Ele ficou na história porque realizou uma grande obra: o amor.
Mesmo após 100 anos de sua partida deste mundo seu exemplo continua vivo em nós.
Ouvi falar de Padre Victor quando ainda era um menino de 6 ou 7 anos de idade. Existia em cima de uma mesinha no quarto da antiga casa de meu avô um pequeno retrato seu. Um dia entrando no quarto peguei o retrato e com um pequeno lápis fiz alguns rabiscos. Uma de minhas tias com paciência disse não podia rabiscar, pois se “tratava do Padre Victor de Três Pontas, um Padre muito santo que fazia milagres”. Guardei no coração aquelas palavras e depois daquele dia em diante mesmo vendo o seu retrato rabiscado o tratava com respeito e curiosidade de saber quem realmente ele foi.
Os anos passaram ligeiros como brisa leve nas tardes quentes de verão. Como dizia Casimiro de Abreu: “Oh! Que saudades que tenho da aurora da minha vida, da minha infância querida, que os anos não trazem mais!”.
Após alguns já como sacerdote e ainda tão pequeno na caminhada sacerdotal comecei a conhecer aquele padre do retrato rabiscado que tanto me causava curiosidade.
Pude ver os objetos que pertenceram a ele e conhecer sua história. Deus me deu o povo que foi e continua sendo também dele, pisei o mesmo chão, celebrei na Igreja cujas bases ele lançou, fui ao encontro do povo da roça por caminhos tantas vezes que com certeza foram percorridos por ele. Minha vida se tornou próxima do padre do retrato rabiscado por pura graça de Deus e nestes 5 anos em Três Pontas onde ele viveu tenho aprendido muito. Queira o Bom Mestre que eu consiga viver o que ele me ensinou!!
O padre do retrato que rabisquei me mostrou fé e confiança em tempos de adversidades. Quantos ensinamentos e atitudes se aprende na escola de Padre Victor: humildade, amor, partilha, silencio acima de tudo, cruz com paciência e perdão. Um antigo provérbio assim nos diz: “façam o que eu digo e não viva como vivo”. Padre Victor poderia também dito isso, mas desta forma: “façam o que eu digo, pois eu vivo o que falo”. Foi sacerdote que viveu o que pregou de maneira serena.
O retrato do padre rabiscado agora está comigo guardado numa gaveta e aquele menino curioso que desejou um dia saber quem ele foi teve sua vontade satisfeita, mas ele não imaginava o quanto é exigente viver o que viveu aquele padre cujo retrato ele rabiscou.
Obrigado Mestre Jesus por ter se mostrado tanto através de padre Victor. Obrigado por ter o feito teu Eterno Sacerdote, Santo e cheio de virtudes que hoje me encorajam e viver no sacerdócio.
Obrigado Mestre por me trazer para esta terra onde ele viveu, por ver o rosto singelo de cada devoto que diante de seu túmulo reza.
Obrigado mestre pela vida deste sacerdote que foi doada ao teu Reino!
Obrigado por ter me deixar rabiscar o seu retrato naquele dia, pois se na ingenuidade de criança não tivesse feito aquilo talvez minha tia dele não tivesse falado e assim eu não o amaria tanto.
Servo de Deus Padre Victor, Obrigado por tudo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário