terça-feira, 29 de junho de 2010

Reportagem da Revista Isto é sobre o Pe. Victor


"Desenganada pelos médicos
"Os filhos de Antônia Marcelino, 64 anos, já tinham orçado o caixão da mãe, internada com infecção generalizada na UTI do Hospital Humanitas, em Três Pontas, Minas Gerais. Era noite do dia 30 de maio de 2001 e o médico havia dito à família que só um milagre salvaria Antônia. A senhora mineira tinha sido internada três dias antes para uma cirurgia de rotina, mas contraiu uma infecção hospitalar que evoluiu para um quadro de septicemia tão grave que seus órgãos pararam de funcionar. Impotente, a família passou a rezar fervorosamente para o padre Francisco de Paula Victor, um sacerdote venerado na cidade que está no início do processo de canonização. Já no dia seguinte ao veredicto fatal, ela começou a melhorar, até que se recuperou plenamente. Para o médico Fernando Prado, que acompanhou o caso, o que surpreende é que ela deveria ter ficado com sequelas, tamanha a gravidade da situação, e isso não ocorreu. A família Marcelino olha para a imagem de padre Victor em lugar nobre na sala e entende o porquê." (http://www.istoe.com.br/reportagens/83560_MILAGRES+CONTEMPORANEOS+PARTE+2)

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Evangelho Mateus (Mt 8,18-22)


Naquele tempo, vendo uma multidão ao seu redor, Jesus mandou passar para a outra margem do lago. Então um mestre da Lei aproximou-se e disse: “Mestre, eu te seguirei aonde quer que tu vás”.
Jesus lhe respondeu: “As raposas têm suas tocas e as aves dos céus têm seus ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”. Um outro dos discípulos disse a Jesus: “Senhor, permite-me que primeiro eu vá sepultar meu pai”. Mas Jesus lhe respondeu: “Segue-me, e deixa que os mortos sepultem os seus mortos”.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Pe. Victor, sinal de perdão e luta contra a “lepra” do preconceito.


Na época em que viveu Jesus um grande preconceito que angustiava as pessoas era o da lepra. Os leprosos eram obrigados a se retirarem da vida familiar e social ficando fora da cidade. Jesus lutou contra isso acolhendo, tocando e curando os leprosos.
Depois de tanto tempo após Jesus Cristo, o preconceito ainda é um grande mal que impede as pessoas de viverem em paz. Por mais que se luta contra este mal, infelizmente muitos ainda insistem permanecer em atitudes preconceituosas e outros sofrem devido as discriminações.
O Servo de Deus Pe. Victor foi vitima de preconceito devido a sua raça. São muitos os fatos de sua vida que demonstram a rejeição a sua vida por ser negro. Porém, o coração de Pe. Victor nunca teve espaço para rancor e vingança, pelo contrario, seu coração sempre foi cheio de perdão. Também lutou contra a discriminação se colocando ao lado de seus irmãos escravos tão oprimidos. Certa vez, Pe. Victor impediu uma grande violência contra os abolicionistas que existiam em Três Pontas.

Evangelho Mateus (Mt8,1-4)


Tendo Jesus descido do monte, numerosas multidões o seguiam. Eis que um leproso se aproximou e se ajoelhou diante dele, dizendo: “Senhor, se queres, tu tens o poder de me purificar”. Jesus estendeu a mão, tocou nele e disse: “Eu quero, fica limpo”. No mesmo instante, o homem ficou curado da lepra. Então Jesus lhe disse: “Olha, não digas nada a ninguém, mas vai mostrar-te ao sacerdote, e faze a oferta que Moisés ordenou, para servir de testemunho para eles”.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Capela Santa Cruz na Faxina Pe. Victor


Ontem dia 23 de junho foi um dia especial para a comunidade da Faxina Pe. Victor. Depois de muito esforço para reformar a Capela Santa Cruz a comunidade teve um sonho realizado: a instalação da Capela com o Santíssimo Sacramento. Com a participação da comunidade e de muitos devotos, o Pároco abençoou o “sacrário” falando da importância do zelo e vida eucarística para a Igreja.
A Capela da faxina Pe. Victor acolhe no dia 23 de setembro muitos devotos que em romaria caminham até lá para a Celebração da Santa Missa. Mas todos os dias é comum ver devotos rezando na Capela.

Evangelho de Lucas (Lc 1,57-66.80) - Natividade de São João Batista


Completou-se o tempo da gravidez de Isabel, e ela deu à luz um filho. Os vizinhos e parentes ouviram dizer como o Senhor tinha sido misericordioso para com Isabel, e alegraram-se com ela. No oitavo dia, foram circuncidar o menino, e queriam dar-lhe o nome de seu pai, Zacarias. A mãe, porém disse: “Não! Ele vai chamar-se João”.
Os outros disseram: “Não existe nenhum parente teu com esse nome!” Então fizeram sinais ao pai, perguntando como ele queria que o menino se chamasse. Zacarias pediu uma tabuinha, e escreveu: “João é o seu nome”. E todos ficaram admirados. No mesmo instante, a boca de Za­carias se abriu, sua língua se soltou, e ele começou a louvar a Deus. Todos os vizinhos ficaram com medo, e a notícia espalhou-se por toda a região montanhosa da Ju­deia. E todos os que ouviam a notícia ficavam pensando: “O que virá a ser este menino?” De fato, a mão do Senhor estava com ele. E o menino crescia e se fortalecia em espírito. Ele vivia nos lugares desertos, até o dia em que se apresentou publicamente a Israel.

São João Batista e Servo de Deus Pe. Victor

O Servo de Deus Pe. Victor nasceu na cidade de Campanha-MG, no dia 12 de abril de 1827 no tempo em que havia escravidão no Brasil. Aquela criança negra recebeu o Batismo no dia 27 de abril passando a infância e adolescência em Campanha até o dia em que partiu para a cidade de Mariana para estudar no seminário.
O nascimento de João Batista trouxe alegria para Isabel e Zacarias. O nascimento de Pe. Victor também alegrou o mundo. Podemos até imaginar os pensamentos de sua Mãe Lourença Justiniana de Jesus ao contemplar o seu recém nascido: “O que será deste menino?”. A trajetória de Pe. Victor responde quem ele foi e o que fez para ser hoje, tão presente na vida de todos nós.
Assim como João Batista, Pe. Victor foi profeta da humilde e caridade. Também, mostrou com seu testemunho a pessoa de Jesus Cristo.
João Batista ofertou a sua vida para o Reino de Deus. Isso, Pe. Victor também soube fazer perfeitamente.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Evangelho de Mateus (Mt 7,15-20)

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: “Cuidado com os falsos profetas: Eles vêm até vós vestidos com peles de ovelha, mas por dentro são lobos ferozes. Vós os conhecereis pelos seus frutos. Por acaso se colhem uvas de espinheiros ou figos de urtigas? Assim, toda árvore boa produz frutos bons, e toda árvore má, produz frutos maus. Uma árvore boa não pode dar frutos maus, nem uma árvore má pode produzir frutos bons. Toda a árvore que não dá bons frutos é cortada e jogada no fogo. Portanto, pelos seus frutos vós os conhe­ce­reis”.

Pe. Victor, árvore que produziu bons frutos para o Reino de Deus.

O Servo de Deus Pe. Victor desde muito cedo procurou sustendo para a sua vida na “terra fértil que é à pessoa de Jesus Cristo”, ali com coragem firmou suas raízes extraindo toda a seiva da vida que Ele oferece. Uma vez enraizado em Cristo superou desafios, amadureceu sua fé seguindo com fidelidade até o fim. Por isso, produziu muitos frutos durante a sua vida.

Quando olhamos para a história de Pe. Victor e hoje confiando na sua intercessão junto de Deus percebemos que a cada dia muitos bons frutos são oferecidos por aqueles que se deixam iluminar por seus exemplos.

Muitos homens na história da Igreja deixaram bons frutos que até hoje guiam a nossa caminhada: Tratados de Teologia, Espiritualidade, etc. Por exemplo, São Tomás de Aquino que muito escreveu sobre a Fé, sobre Deus e São João da Cruz que relatou em muitas páginas a sua vida interior. O nosso Servo de Deus Pe. Victor não nos deixou legado escrito em folhas de papel. Porém, soube escrever com humildade no coração de todos os que dele se aproximava.

Quando nossos olhos contemplam as lágrimas de um devoto que rezando diante de seu túmulo volta para casa com ânimo novo temos a certeza de que “Árvore boa dá frutos bons” e que podemos assim como fez Pe. Victor oferecer frutos bons para o Reino de Deus.


“Por vezes sentimos que aquilo que fazemos não é senão uma gota de água no mar. Mas o mar seria menor se lhe faltasse uma gota”. (Madre Teresa de Calcutá)

terça-feira, 22 de junho de 2010

Pe. Victor e a "Porta estreita"


Durante a sua vida o Servo de Deus Pe. Victor foi descobrindo o caminho para a santidade, tarefa que não foi fácil. Mas, com esforço e amor, o caminho de Pe. Victor chegou até a "Porta Estreita" que leva à plenitude de vida. Pela "Porta Estreita" Pe. Victor passou deixando-nos exemplos para que consigamos também viver a santidade e passar pela porta que conduz ao céu.

Encontrar Jesus..

O encontro e experiência com Jesus Cristo são fundamentais para o amadurecimento da fé. Muitos dos encontros que fazemos são superficiais, frios e sem verdadeiro acolhimento.

Com Jesus deve ser diferente, pois sensibilidade e abertura sincera do coração proporciona o desejo de sempre querer se encontrar com a sua Luz, seja nos sacramentos da Reconciliação, Eucaristia e na Palavra de Deus.

Evangelho de Mateus (Mateus 7, 6.12-14)

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: “Não deis aos cães as coisas santas, nem atireis vossas pérolas aos porcos; para que eles não as pisem com os pés e, voltando-se contra vós, vos despedacem. Tudo quanto quereis que os outros vos façam, fazei também a eles. Nisto consiste a Lei e os Profetas. Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso é o caminho que leva à perdição, e muitos são os que entram por ele! Como é estreita a porta e apertado o caminho que leva à vida! E são poucos os que o encontram”!

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Evangelho Mateus (Mt 6,7-15)


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Quando orardes, não useis muitas palavras, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por força das muitas palavras. Não sejais como eles, pois vosso Pai sabe do que precisais, muito antes que vós o peçais. Vós deveis rezar assim: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como nos céus.
O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. Perdoa as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal. De fato, se vós perdoardes aos homens as faltas que eles cometeram, vosso Pai que está nos céus também vos perdoará. Mas, se vós não perdoardes aos homens, vosso Pai também não perdoará as faltas que vós comestestes”.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Oração de São Francisco de Assis




Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois, é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.


Alma de Cristo, santificai-me;
Corpo de Cristo, salvai-me;
Sangue de Cristo, inebriai-me;
Água do lado de Cristo, purificai-me;
Paixão de Cristo, confortai-me;
Ô bom Jesus, escutai-me;
Dentro das vossas chagas, escondei-me;
Não permitais que eu me separe de vos;
Do Espírito maligno, defendei-me;
Na hora da morte, chamai-me;
E mandai-me ir para vós, para que com
Os vossos santos, vos louve
Por todos os séculos e séculos amém.

Refletir...


“Nada te perturbe,
Nada te espante,
Tudo passa,
Deus não muda,
A paciência tudo alcança;
Quem a Deus tem
Nada lhe falta:
Só Deus basta.

(Sta. Teresa D´Avila)

Evangelho Mateus (Mt 6,1-6.16-18)


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Ficai atentos para não praticar a vossa justiça na frente dos homens, só para serdes vistos por eles. Caso contrário, não recebereis a recompensa do vosso Pai que está nos céus.
Por isso, quando deres esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem elogiados pelos homens. Em verdade vos digo: eles já receberam a sua recompensa.
Ao contrário, quando deres esmola, que a tua mão esquerda não saiba o que faz a tua mão direita, de modo que, a tua esmola fique oculta. E o teu Pai, que vê o que está oculto, te dará recompensa.
Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar em pé, nas sinagogas e nas esquinas das praças, para serem vistos pelos homens. Em verdade, vos digo: eles já receberam a sua recompensa.
Ao contrário, quando tu orares, entra no teu quarto, fecha a porta, e reza ao teu Pai que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa.
Quando jejuardes, não fi­queis com o rosto triste como os hipócritas. Eles desfiguram o rosto, para que os homens vejam que estão jejuando. Em verdade, vos digo: Eles já receberam a sua recompensa.
Tu, porém, quando jejuares, perfuma a cabeça e lava o rosto, para que os homens não vejam que estás jejuando, mas somente teu Pai, que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa”.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Bem-aventurada Albertina Berkenbrock

A primeira mártir brasileira nasceu em Santa Catarina em 11 de abril de 1919.
Desde cedo despontava na vida de oração, no amor à família e ao próximo. Se unia ao crucificado por meio de penitências. Jovem, mas centrada no mistério da Eucaristia, tinha vida sacramental, penitencial e de oração
Albertina cuidava do rebanho de seu pai que deu a seguinte ordem: ela devia procurar um boi que se extraviou. No caminho, encontrou um homem de apelido 'Maneco Palhoça', que trabalhava para a família. Ela perguntou a ele se sabia onde estaria o boi perdido. Ele indicou um lugar distante, e a surpreendeu lá, tentando estuprá-la, porém, não teve o êxito.
A jovem resistiu, pois não queria pecar. Por não conseguir nada, ele pegou-a pelo cabelo, jogou-a ao chão e cortou seu pescoço, matando-a imediatamente.
Maneco acusou outra pessoa, que foi presa imediatamente. Ele fingia que velava a menina, e ao se aproximar do corpo, o corte vertia sangue. Ele fugiu, mas foi preso e confessou o crime. Maneco deixou claro que ela não cedeu porque não queria pecar.
Tudo isso aconteceu em 15 de junho de 1931. Por causa da castidade, Albertina não cedeu.
Bem-aventurada Albertina Berkenbrock, rogai por nós!

Evangelho de Mateus (Mt 5,43-48)


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Vós ouvis¬tes o que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo!’ Eu, porém, vos digo: ‘Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem!’ Assim, vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus, porque ele faz nascer o sol sobre maus e bons, e faz cair a chuva sobre os justos e injustos. Porque, se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa? E se saudais somente os vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa? Portanto, sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito”.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Pe. Victor foi ordenado Sacerdote no dia 14 de junho de 1851


Hoje, dia 14 de junho é uma data especial para os devotos do Servo de Deus Pe. Victor. Pois nesta data ele foi ordenado sacerdote no ano 1851, possivelmente na Catedral da Diocese de Mariana, Nossa Senhora do Carmo.
Padre Victor recebeu o sacramento da Ordem pelas mãos de Dom Antônio Ferreira Viçoso, o mesmo bispo que anos atrás na sua passagem pela cidade de Campanha-MG o conheceu, tomou conhecimento de sua vocação e acreditou na vocação do jovem negro Victor. Vale a pena ressaltar que referido Bispo tinha um carinho especial para com Pe. Victor, pois certa vez no seminário o chamou na frente de todos de Seminarista exemplar.
No dia 14 de junho de 1851, Pe. Victor assinava o “Termo de Obrigação”, declarando “obrigar-se a servir neste Bispado segundo aquilo que for compatível com suas forças e a vontade do Ordinário (bispo)” .
Que o Servo de Deus Pe. Victor interceda a Deus por nós!

Pe. Victor, sacerdote de santa humildade


O Servo de Deus Pe. Victor foi incansável no testemunho da humildade. Diante das oposições a sua pessoa, ele não se deixou desanimar. Não buscou vingança em nenhum momento de sua vida, sempre perdoando aos que muitas vezes o ofendia.
Os devotos que constantemente visitam a Igreja onde repousa seus restos mortais, chegam motivados pelo testemunho de vida de Pe. Victor. Dentre as muitas virtudes: a santa humildade.

Evangelho de Mateus (Mt 5,38-42)


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:“Ouvistes o que foi dito: ‘Olho por olho e dente por dente!’ Eu, porém, vos digo: Não enfrenteis quem é malvado! Pelo contrário, se alguém te dá um tapa na face direita, oferece-lhe também a esquerda! Se alguém quiser abrir um processo para tomar a tua túnica, dá-lhe também o manto! e alguém te forçar a andar um quilômetro, caminha dois com ele! Dá a quem te pedir e não vires as costas a quem te pede emprestado”.

Quem bom ser católico...

video

domingo, 13 de junho de 2010

Quem ama é perdoado. Quem ama segue o amor oferecido..


Tanto que esperou pudesse um dia
chegar bem perto, dizendo tudo!
Se não conseguiu como queria,
o seu silêncio não ficou mudo.
Ela muito amou, tem a minha paz;
Vai seguir caminho sem temor!
Sabe quem eu sou, e será capaz
De espalhar na terra o meu amor!
Ela ultrapassou toda medida,
não lhe bastando meros preceitos.
Lágrimas, perfume - que acolhida!
Nem se importando com preconceitos.
Se ninguém ousou dizer bem claro
o que pensava daquele gesto,
Ele revelou como era raro
esse carinho tão manifesto.
Ele é sempre mais que um convidado,
se põe à mesa, nutrindo a vida;
Olha os corações e põe de lado
toda aparência, cura a ferida!

Neste 11º Domingo do tempo comum, a Palavra de Deus ilumina as nossas vidas para caminharmos nos passos de Jesus. O evangelho nos apresentou a história da mulher pecadora que rompe as barreiras chegando aos pés de Jesus. A mulher do evangelho representa o coração que tomando consciência de suas fraquezas, pecado não se deixa levar pelo desânimo e receio de pedir perdão. Ao contrário, num esforço muda de vida mediante a misericórdia de Cristo.
Somos chamados a estar aos pés de Jesus e lava-los com as lágrimas de nosso arrependimento e num gesto de carinho ungi-lo com perfume. Lavar os pés significa a conversão e oferecer perfume é esforço constante para não permanecer no pecado.

Responsório de Santo Antônio


Se milagres desejais,
Recorrei a Santo Antônio;
Vereis fugir o demônio
E as tentações infernais.
Recupera-se o perdido,
Rompe-se a dura prisão
E no auge do furacão
Cede o mar embravecido.
Todos os males humanos
Se moderam, se retiram,
Digam-no aqueles que o viram,
E digam-no os paduanos.
Repete-se: - Recupera-se o perdido...
Pela sua intercessão
Foge a peste, o erro, a morte,
O fraco torna-se forte
E torna-se o enfermo são.
Repete-se: - Recupera-se o perdido...
Glória ao Pai, e ao Filho e ao Espírito Santo
Repete-se: - Recupera-se o perdido...
V: Rogai por nós, bem-aventurado Antônio.
R: Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Evangelho Dominical (Lucas 7, 36-8,3)


Naquele tempo, um fariseu convidou Jesus para uma refeição em sua casa. Jesus entrou na casa do fariseu e pôs-se à mesa.
Certa mulher, conhecida na cidade como pecadora, soube que Jesus estava à mesa, na casa do fariseu. Ela trouxe um frasco de alabastro com perfume, e, ficando por detrás, chorava aos pés de Jesus; com as lágrimas começou a banhar-lhe os pés, enxugava-os com os cabelos, cobria-os de beijos e os ungia com perfume.
Vendo isso, o fariseu que o havia convidado ficou pensando: “Se este homem fosse um profeta, saberia que tipo de mulher está tocando nele, pois é uma pecadora”.
Jesus disse então ao fariseu: “Simão, tenho uma coisa para te dizer”. Simão respondeu: “Fala, Mestre!”
“Certo credor tinha dois devedores; um lhe devia quinhentas moedas de prata, o outro, cinquenta. Como não tivessem com que pagar, o homem perdoou os dois. Qual deles o amará mais?”
Simão respondeu: “Acho que é aquele ao qual perdoou mais”. Jesus lhe disse: “Tu julgaste corretamente”.
Então Jesus virou-se para a mulher e disse a Simão: “Estás vendo esta mulher? Quando entrei em tua casa, tu não me ofereceste água para lavar os pés; ela, porém, banhou meus pés com lágrimas e enxugou-os com os cabelos. Tu não me deste o beijo de saudação; ela, porém, desde que entrei, não parou de beijar meus pés. Tu não derramaste óleo na minha cabeça; ela, porém, ungiu meus pés com perfume.
Por esta razão, eu te declaro: os muitos pecados que ela cometeu estão perdoados porque ela mostrou muito amor. Aquele a quem se perdoa pouco, mostra pouco amor”.
E Jesus disse à mulher: “Teus pecados estão perdoados”.
Então, os convidados começaram a pensar: “Quem é este que até perdoa pecados?”
Mas Jesus disse à mulher: “Tua fé te salvou. Vai em paz!”
Depois disso, Jesus andava por cidades e povoados, pregando e anunciando a Boa-nova do Reino de Deus. Os doze iam com ele; e também algumas mulheres que haviam sido curadas de maus espíritos e doenças: Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demônios; Joana, mulher de Cuza, alto funcionário de Herodes; Susana, e várias outras mulheres que ajudavam a Jesus e aos discípulos com os bens que possuíam.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Evangelho de Lucas (Lc 15,3-7)


Naquele tempo, Jesus contou-lhes esta parábola: ”Se um de vós tem cem ovelhas e perde uma, não deixa as noventa e nove no deserto, e vai atrás daquela que se perdeu, até encontrá-la? Quando a encontra, coloca-a nos ombros com alegria, e, chegando a casa, reúne os amigos e vizinhos, e diz: `Alegrai-vos comigo! Encontrei a minha ovelha que estava perdida!`Eu vos digo: Assim haverá no céu mais alegria por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão”.

Padre Victor, sacerdote de oração e de serviço..


Padre Victor foi um sacerdote da oração e do serviço. Pregava a união e a fraternidade. Viveu de esmolas e dando esmolas. Para ajudar o seu povo chegou a contrair dívidas, mas foram todas pagas. Entregou o prédio onde funcionava a escola para pagá-las. Mas o seu credor devolveu-o, para que lá vivesse, enquanto vida tivesse, fazendo assim a doação, que futuramente seria o hospital das misericórdias, certamente com a finalidade de continuar a caridade pregada por Padre Victor. O pároco emprestava a sua escola para as festas, em que a população se divertia dentro da mais completa ordem, porque o sacerdote estava presente em todos os momentos, quer alegres, quer tristes.

Padre Victor tinha grande zelo por Nossa Senhora e devoção a ela. Era esmerado no trato das coisas sagradas.
O gosto e o respeito religioso com que realizava os atos litúrgicos eram notados por todos. As solenidades religiosas eram belíssimas. Dizem que ele convidava exímios oradores. Encerrava sempre as cerimônias com a bênção do Santíssimo. Padre Victor pregou, pelo exemplo, a fé, a esperança, a fortaleza, a prudência, a justiça, a castidade, a temperança, a humildade, o temor a Deus e, sobretudo, a caridade. Amava a Deus na pessoa de seu semelhante, de modo especial, dos mais pobres.

Padre Victor, modelo de sacerdote missionário


Padre Victor, o homem da fé, venceu os obstáculos do seu tempo. Em lugares mais distantes ia a cavalo e, quando mais idoso, usava o carro de bois. Seus paroquianos recorriam a ele em suas necessidades. Sentiam na sua presença o alento, a segurança. Recorriam a ele os que tinham fome, desentendimentos familiares, doenças, falta de habitação, vestuário, trabalho. Crianças, adolescentes, jovens e adultos recebiam dele carinho e atenção. A justiça e a fé eram virtudes pregadas pelo Servo de Deus aos seus paroquianos com firmeza e coragem. E, assim, conquistou todo o rebanho para o Criador. Era bom, mas era enérgico.

Com 24 anos, em 1851, ordenou-se sacerdote, sendo sua primeira missa celebrada em Campanha – MG. Em 1852, veio para Três Pontas - MG. A população achou estranho Dom Viçoso enviar um sacerdote "negro". Era em plena escravidão negra, mas a população de Três Pontas, aos poucos, foi conhecendo as virtudes de Padre Victor, que pregava pelo exemplo. Não existem leis para as virtudes, mas, sim, o poder do Espírito Santo, para transformar o seu semelhante. Assim, consolou os aflitos, foi justo, soube perdoar, soube promover os semelhantes, sem distinção. Visitava os doentes, amparava os inválidos, atendia prontamente confissões, casamentos, encomendações. A população significava muito para ele, que, realmente, era um homem de Deus. Transmitia esperança na felicidade eterna, conquistada com o sacrifício de Cristo e agradecia a Deus por lhe haver revelado Jesus.

Obrigado, Senhor pela vida dos sacerdotes


Ao encerrarmos o Ano Sacerdotal em nossa Igreja que os bons exemplos de tantos sacerdotes sejam para nossa vida Luz.

Sacerdote


"Também não cesse de orar o sacerdote e oferecer o santo sacrifício, até que mereça alcançar graça e misericórdia. Quando o sacerdote celebra a Santa Missa, honra a Deus, alegra os anjos, edifica a Igreja, ajuda os vivos, proporciona descanso aos defuntos e faz-se participante de todos os bens". (Imitação de Cristo)

Coração de Cristo, fonte de amor


Senhor queremos estar no teu Coração. Unidos a Ele, teremos em nós a plenitude da vida.

Texto do livro "Imitação de Cristo" sobre o sacerdote.


“Ainda que tiveres a pureza dos anjos e a santidade de São João Batista, não serias digno de receber ou administrar este Sacramento. Porque não é devido a merecimento algum humano que o homem pode consagrar e administrar o Sacramento de Cristo e comer o pão dos anjos. Sublime mistério e grande dignidade dos sacerdotes, aos quais é dado o que aos anjos não foi concedido! Porque só os sacerdotes legitimamente ordenados na Igreja têm o poder de celebrar a Missa e consagrar o corpo de Cristo, porquanto é tão-somente o ministro de Deus que usa das palavras de Deus, por ordem e instituição de Deus; Deus, porém, é o autor principal e invisível agente, a cujo aceno tudo obedece.
Neste augustíssimo Sacramento deves, pois, mais crer em Deus onipotente que em teus próprios sentidos ou em qualquer sinal visível. Por isso deves aproximar-te deste mistério com temor e reverência. Olha para ti e considera que ministério te foi confiado pela imposição das mãos do bispo. Foste ordenado sacerdote e consagrado para o serviço do altar; cuida agora em oferecer a Deus o sacrifício em tempo oportuno, com fé e devoção, e de levar uma vida irrepreensível. Não se te diminuem o encargo, ao contrário, estas agora mais apertadamente ligado aos vínculos de disciplina e obrigado a maior perfeição e santidade. O sacerdote deve ser ornado de todas as virtudes de dar aos outros o exemplo de vida santa. Ele não deve trilhar os caminhos vulgares e comuns dos homens, mas a sua convivência seja com os anjos do céu ou com os varões perfeitos na terra.
O sacerdote, revestido das vestes sagradas, faz às vezes de Cristo, para rogar devota e humildemente a Deus por si e por todo o povo. Traz o sinal da cruz do Senhor no peito e nas costas, para que continuamente se recorde da paixão de Cristo. Diante de si, na casula, traz a cruz, para que considere, com cuidado, os passos de Cristo, e se empenhe de os seguir com fervor. Nas costas também está assinalado com a cruz, para que tolere com paciência, por amor de Deus, qualquer injúria que outros lhe fizeram. Diante de si traz a cruz para chorar os próprios pecados; atrás de si, para deplorar também os alheios, por compaixão, e para que saiba que é constituído medianeiro entre Deus e o pecador. Também não cesse de orar e oferecer o santo sacrifício, até que mereça alcançar graça e misericórdia. Quando o sacerdote celebra a Santa Missa, honra a Deus, alegra os anjos, edifica a Igreja, ajuda os vivos, proporciona descanso aos defuntos e faz-se participante de todos os bens.”

Hoje é a Festa do Sagrado Coração de Jesus


Mestre Jesus, o vosso coração transpassado pela lança é o céu aberto para a humanidade. O sangue e água dele jorrados salvam as almas, curam os corações. Lançai sobre nós o amor do vosso coração transpassado e enchei nossa vida com a vossa luz
Jesus transpassado tende piedade de nós!

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Evangelho de Mateus ( Mt 5,20-26)


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Se a vossa justiça não for maior que a justiça dos mestres da Lei e dos fariseus, vós não entrareis no Reino dos Céus. Vós ouvistes o que foi dito aos antigos: ‘Não matarás! Quem matar será condenado pelo tribunal’.
Eu, porém, vos digo: todo aquele que se encoleriza com seu irmão será réu em juízo; quem disser ao seu irmão: ‘patife!’ será condenado pelo tribunal; quem chamar o irmão de ‘tolo’ será condenado ao fogo do inferno.
Portanto, quando tu estiveres levando a tua oferta para o altar, e ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa a tua oferta ali diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão. Só então vai apresentar a tua oferta.
Procura reconciliar-te com teu adversário, enquanto caminha contigo para o tribunal. Senão o adversário te entregará ao juiz, o juiz te entregará ao oficial de justiça, e tu serás jogado na prisão. Em verdade eu te digo: dali não sairás, enquanto não pagares o último centavo”.

Pe. Victor no seminário

No Seminário demonstrou sua vivência cristã. Passou por muitas humilhações, pois seus colegas "brancos" se recusavam a aceitá-lo. Chamavam-no de negro, beiçudo, deixando-o para os piores trabalhos. Victor aceitava tudo e procurava fazer bem as tarefas, servindo a todos. Aos poucos, reconheceram que se tratava de um seminarista exemplar e passaram a respeitá-lo. O bispo Dom Viçoso o apoiava e o estimava, chegando a proclamar as virtudes desse jovem, reconhecendo a sua vivência cristã, pois sabia compreender, perdoar e amar aqueles que o ofendiam.

quarta-feira, 9 de junho de 2010


Quando o dia declina e a noite vem chegando esteja junto de mim Senhor para que meu coração permaneça no seu amor.

Olhar com amor.....

Evangelho: Mateus (Mt 5, 17-19)


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: "Não penseis que vim abolir a Lei e os profetas. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento. Em verdade, eu vos digo: antes que o céu e a terra deixem de existir, nem uma só letra ou vírgula serão tiradas da lei, sem que tudo se cumpra. Portanto, quem desobedecer a um só destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no Reino dos céus. Porém, quem os praticar e ensinar será considerado grande no Reino dos céus".

A Cruz de cada dia....